Translation language

Total de visualizações de página

Follow by Email

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Aprendizado constante.


Não sei qual é a distância entre o real e o imaginado,
Mas sei qual é a distância entre um desejo e a força de vontade,
Certa vez alguém perguntou-me de que valia-lhe os pés se não tinha caminhos para seguir,
Então descobri que os caminhos independem de ter pés ou não, existem pessoas que não os tem, mas seguem sempre em frente,porque caminhos são as oportunidades que se traça mesmo quando não se pode andar,
Não aprendi conceitos de medicina ou psicologia para entender os estragos e feridas que uma pessoa egoísta pode causar a outra,
Mas aprendi que se a pessoa ferida se render, ela nunca mais se reerguerá,porque o fracasso é feito da perda da capacidade de si mesmo, de se superar e superar os problemas que as pessoas egoístas nos causam.
Parei várias vezes vendo o pôr do sol, tentando entender porque tudo um dia se vai, inclusive as pessoas que amamos,
E descobri que é isso, todos teremos que ir um dia, agora ou amanhã, cedo ou mais tarde e que em outro plano ressurgiremos como o sol que se põe ao entardecer para ressurgir pleno em um novo amanhecer...
Aprendi a andar sozinha, sem esperar tanto das pessoas,
Mas descobri uma grande verdade, nunca se está sozinho quando se está consigo mesmo, e quando se está consigo mesmo se é capaz de ouvir o Deus que há dentro de si, tão grande e tão intenso na sabedoria do silêncio a que se converte.
Não há motivos para dizer que a vida é injusta em certos momentos, acaso sabe como se trabalha o ferro?
Pois bem, se não o sabe então esse é o momento, para que o ferro se torne maleável é necessário que o submeta a altas temperaturas, até que se torne em brasa viva, daí é necessário um martelo o qual o forjador usará para deferir golpes na peça, até que tenha a forma que lhe convenha,
Se a vida lhe parece injusta, dura tal como o ferro, sejas tu, tal qual um forjador que pacientemente torna maleável qualquer estrutura provada ao fogo e aos golpes.
Perdi-se o medo de lutar por objetivos, quando descobre-se que ninguém e nem nada tem o direito de se colocar entre si e o que anseia-se, porque todos temos capacidades suficientes para perseguir o que queremos.
Aprendi que o coração é algo de relativa estrutura, ora duro feito rocha, ora frágil feito bolha de sabão, porém sempre carecerá de reparos, seja quando for rocha, seja quando for bolha de sabão, pois nenhuma das estruturas permanecerá intacta.
Com os relacionamentos aprendí que quando se ama é magnífico transformar em eterno até o simples e imperceptível momento, mas quando o amor acaba deve-se ser breve em esquecer, pois quando algo se vai deve levar o melhor de nós e deixar o melhor de sí, para que os sentimentos não se tornem dores e frustrações.
Viver é uma arte quando se aprende á fazer coisas que gosta, ainda que seja um pequeno rabisco numa folha em branco, pois ali estará um pouco de si, todas suas emoções contidas em algo tão simples,
Talvez não consiga convencer o mundo de que ali esteja um pouco de si, mas sempre alguém olhará e verá a semelhança, pouco visível aos olhos da face,sempre existirá alguém que nos entenda.
Estou a aprender a apurar a minha paciência para requerer de forma doce e calma tudo o que aspiro, pois talvez as forças contra as quais luto não sejam pacientes, por isso agem sem pensar e seus estragos serão cada vez maiores, sempre maiores.
Por fim descobri que a vida será sempre um aprendizado e que cada dia será uma constante lição,que exige atenção, perseverança, disciplina, capacidade e sobre tudo vontade, vontade de perseguir sonhos sejam quais forem, pequenos ou grandes e que esses sonhos se convertem em objetivos em algum momento da vida para um dia enfim se tornarem realidade.

Raquel Luiza da Silva.

Um comentário:

  1. Raquel,
    Li muitos poemas seus.
    Sem sombra de dúvida, posso lhe dizer que são MARAVILHOSOS!
    Parabéns por sua capacidade de passar para o papel um sentimento!
    É bem característica dos gouveianos a sensibilidade, a percepção extra sensorial e a transparência d'alma!
    Não somos capazes de ocultar o nosso âmago e o fazemos sem medo de ser feliz ou infeliz! Nada tememos, em relação ao fato de exteriorizar o que sentimos!
    Vá em frente e saiba que torço para que seja Feliz em plenitude.
    Beijos!

    ResponderExcluir