Translation language

Total de visualizações de página

Follow by Email

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Algo sobre amores.


Existem amores que são como poemas,
Nascem como palavras indomáveis,
Tão cheios de beleza e força...
...E adormecem no ultimo ponto final.

Raquel Luiza da Silva.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

O que é eterno.


Se os anos que passam perturbam-me a juventude,
O tempo que vôa amadurece-me o ser,
Já vi tanta alma envelhecida em corpo jovem,
E tanto corpo envelhecido com alma por amadurecer,
Tanta personalidade forjada, Tanto aprendiz que não se da conta de nada,
E a beleza de tudo que passa,
Se renova no aprendizado que não se acaba,
No passar dos anos,
No vôo do tempo,
Moldando tudo a seu contento,
E o amadurecimento da alma...
Não está no corpo que se verte em pó,
Mas no aprendizado dos momentos, que ditam a eternidade por si só.

Raquel Luiza da Silva.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

...

Não me assustaria se descobrissem que palavras são feitas de sentimentos,
Mas me causaria pavor se acreditassem que sentimentos são capazes de cegar as palavras.

Raquel Luiza da Silva.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Momentos.


De um tempo que se foi pouco se guarda,
De um tempo que virá nada se sabe,
Fico a dedilhar as cordas invisíveis de meus pensamentos,
Numa canção de nada, que nada se sabe,
Será o tempo apaziguador de tormentos?
Será a vida um dedilhar de notas?
E eu pouco sei desse tudo que me vem de longe,
Dessas formas com rostos, sem nomes,
Talvez o que há de lúgubre em muito do que vejo, não esteja em meus olhos,
Mas nos sentimentos que povoam o meu peito,
Feito de um misto absoluto de dissabores, alegrias...
Apresentando ao mundo o ser que se pode tocar,
Com uma imensidão invísivel que a veste carnal não consegue revelar,
E esse tempo que se foi me fez um dia...
E o que virá fará os reparos,
Não sei se a perfeição é algo nosso e será o ponto final desse corpo feito de pó em vestimenta carnal,
Ou se apenas deixará livre a alma eterna, imortal,
E a controvercia do eterno vivendo no corpo que fenece no tocar das horas,
Para mim é a vaidade do Criador provando seu poder diante de nós, simples criação,
Que voltaremos ao pó, moldado por Suas mãos.
E prefiro não mais pensar nisso,
Fazendo de eterno apenas os momentos em que vivo.


Raquel Luiza da Silva.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Saudade é...


Saudade é amor camuflado,
Daquele tipo que vai, mas diz que volta mais tarde...
Saudade é uma forma de paixão,
Do tipo que vai e leva um pouquinho do coração...
Saudade é uma forma dierente de sofrer,
Do tipo que doi ás vezes, mas ensina a viver,
Saudade é isso...
Que se sente quando ninguém mais entende,
Que pede para voltar com vontade de não ficar,
É o que não se compreende quando a voz se cala e apenas o coração sente.

Raquel Luiza da Silva.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Ócio.


Existem erros por cometer,
Acertos apenas por prazer,
Por algumas horas quero estar na contramão do sistema,
Ser o que ninguém mais pensa,
Olhar o mundo sem lentes,tudo cristalino como o tempo corrente.
Deixar de lado tantas coisas que sempre estiveram á minha frente...
Coisas que envelhecem, que deixam a gente doente
Vou usar aquela roupa colorida, fora de moda, roupa de vida,
Dançar num rítmo desconhecido
Calar e apenas ouvir,
Aprender com o menos sábio amigo,
Não quero aspirar a realização de tantos planos,por algumas horas irão se esconder sob os panos,
Porque o ócio será meu companheiro,
Quero hoje entender o nada, de quem decide nada fazer o dia inteiro,
E vou respirar, sorrir, cantar...
Sem temer olhos reprovadores,
Sei que também queriam se livrar de tantos "valores"
Então por algumas horas deixarei de lado todas as regras,
Deixar de ser pessoa cega
Andar porque existem estradas,
Não porque caminhar seja preciso a troco de um tudo, ou simplesmente do nada,
Então por algumas horas vou deixar de ser isso ou aquilo,
Vou carregar apenas o pouco de que preciso,
Sem preço, sem aviso,
Apenas para ser gente,
Num tempo que passa...
E que inssistimos em levar na bagagem coisas que fazem de nós pobres escravos de tantas regras, que nem sempre sabemos para que servem.

Raquel Luiza da Silva.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Talvez seja.


Talvez o silêncio seja o melhor que tenho a oferecer agora,
Não pense que não é valioso,
Porque será um dia para ti o maior tesouro,
É no silêncio que nos descobrimos,
Deixando de lado nosso ser sempre invisível,
Dou-te o meu silêncio,
Para que encontre a si mesmo, sem pressa, sem medo...


RaquelLuiza da silva.