Translation language

Total de visualizações de página

Follow by Email

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O palhaço e a flor.


Abriu-se o amor tal flor de primavera
Trazendo a beleza de sois eternos,
Trazendo a cegueira de seu clarão...
No peito de um palhaço solitário,
Tal flor era um tema imaginário,
Era a canção de violinos mudos,
No abraço apertado de dilemas profundos,
E tal flor crescia...Crescia...
E sua beleza alva era de singeleza celestial,
De carne humana, ardor imortal,
E a alma de saltimbanco curvava-se em pleno encanto,
E a alva flor, crescia, crescia...
Tomando cada espaço daquele recanto.
E entre risos,
E entre aplausos...
A flor era indiferente àqueles encalços,
E abria-se bela e plena,
Tão doce...
Tão serena.
E era seu ambiente de devoção profundo,
Altar divino naquele mundo.
Até que um dia o espinho da indiferença, vasou daquele palhaço o mortal coração...
E a alva flor, tornou-se carmesim então,
E sua beleza de dor não roubava o sorriso do palhaço,
Apenas acrescentara uma pequena lágrima naquele rosto sarcástico.
E ele então descobrira que o crescera em si, nada mais fora que o amor,
Pleno e doce e por vezes cheio de dor.
Mas sentia-se honrado por ter sido palco,
De tão bela criação,
Desejo sagrado.
Esperaria tantas primaveras fosse preciso,
Ainda que isso lhe roubasse tantos sorrisos...
Mas sabia que teria em si belos jardins,
De belezas alvas, de belezas carmesins.

Raquel Luiza da Silva

2 comentários: